81120121731553

Novo FIFA Street em desenvolvimento

Já faz um certo tempo que não vejo a menor graça nas duas grandes franquias de futebol que temos. E o motivo é a falta de real inovação tanto no FIFA quanto no Pro Evolution Soccer. Não estou falando nos desnecessários esforços para trazer os gráficos e movimentos do jogos o mais próximo do real possível. Me refiro a algo que traga a diversão de volta a essa categoria de games. A EA Sports deu um passo importante e anunciou que o FIFA 16 terá Ligas Femininas, o que já é um belo atrativo diferencial. Mas só isso é muito pouco.

A real solução para o problema está na ressurreição do último jogo de futebol que trouxe diversão real em seu conteúdo: o FIFA Street. E tudo indica que isso está prestes a acontecer. A foto publicada por um jogador alemão profissional  de futsal no Instagram praticamente comprova que uma nova edição do jogo está em desenvolvimento.

Motion capture Fifastreet. First tricks of Fifastreet with @touzani7 #canada #vancouver #easports #youngboy

Uma foto publicada por Kenan Koseoglu (@kenan_koseoglu_official) em

A EA Sports não confirma nem nega a informação. Mas eu já estou ansioso para jogar futebol em um console da nova geração e, quem sabe, me divertir fazendo isso.

 

EUA e Costa Rica jogam sob nevasca pelas eliminatórias da Copa de 2014

EUA e Costa Rica jogam sob nevasca pelas eliminatórias da Copa de 2014

Aqui no Brasil é bastante comum jogos de futebol na chuva, às vezes chuvas torrenciais, transformando o gramado (e em casos extremos até as arquibancadas) em verdadeiras piscinas. Juntando isso com a baixa qualidade dos gramados, temos alguns jogos na mais absoluta lama.

Mas ainda assim o esporte parece mais praticável do que na ocorrida na partida entre Estados Unidos e Costa Rica, pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014. Uma nevasca violenta caiu sobre a cidade de Denver, transformando o gramado num enorme tapete branco. Apesar da espessa camada de neve, o jogo ocorreu normalmente, com vitória dos EUA por 1×0. Veja as imagens e o vídeo à seguir.

 

padania.jpg

Viva World Cup: a Série B da Copa do Mundo de Futebol

Quando Felipão (vulgo Luiz Felipe Escolari) foi escolhido para substituir Mano Menezes como técnico da seleção brasileira, vi muita gente falando “ainda bem que a Copa do Mundo não tem série B”, numa referência ao resultado do trabalho dele no Palmeiras. Mas não é que existe uma série B da Copa do Mundo?

Tudo começou com uma dúvida. Eu queria saber se a FIFA tem direito de monopolizar mundialmente a prática do futebol ou se poderiam existir ligas alternativas. Pelo Twitter, o Vitor Hugo me alertou a existência da NF-Board, uma federação alternativa para nações que, por não serem reconhecidas como estados, não podem ter confederações e se afiliarem a FIFA.

Entre os membros da NF-Board encontramos nações conhecidas, como Mônaco e Tibet, e outras não tão ilustres, como Camarões do Sul e Gozo (uma ilha de Malta do tamanho de um espermatozoide). Os afiliados se reúnem em uma disputa sem periodicidade definida (acontece quando dá) chamada VIVA World Cup.

Viva World Cup

O atual campeão da Viva World Cup foi o anfitrião de 2012, Curdistão, uma região do Oriente Médio habitada pelos curdos, maior etnia sem estado do mundo (são 26,3 milhões de curdos). A maior vencedora é a tricampeã Pandânia, região do norte da Itália com tendências separatistas.

Torcida da Pândania

Torcida da Pândania e uma bandeira intrusa da Inglaterra.

Além da NF-Board, existem várias outras federações e associações que organizam futebol alternativas à FIFA.

 

Felipão na VIVA World Cup?

Bem, o único modo do Felipão colocar brasileiros nessa “Série B” da Copa do Mundo é incitando uma revolução gaúcha (o que não deve ser tão difícil),  associar a federação gaúcho à NF-Board e pronto. Provavelmente teríamos uma final entre Pandânia e República Rio-grandense (seja lá como irão chamar) na próxima VIVA World Cup (seja lá quando vai acontecer).

Já o Brasil, que ainda não é uma nação propriamente dita, não deixará de ser um estado, pelo menos não nos próximos 100 ou 200 anos.