Estamos na reta final de 2011 e como já sabemos à muito tempo quando o mundo vai acabar, nos resta desvendar o único mistério desse capítulo final da humanidade: como? Como e por que o mundo acabará. A ficção nos deu um belo acervo, bem fantasioso, mas nada que se aproximasse da loucura que que podemos vislumbrar na realidade.

Existem sinais, vários sinais que mostram que a humanidade está muito próxima de seu fim. Recomendo ler o post inteiro, pois…. você vai se arrepiar!

Grande Colisor de Hádrons

lhcgrande

 

O famoso LHC entrou em funcionamento em 2008 com um objetivo simples: explicar o Big Bang. Esse é o objetivo dito aos leigos, é claro, já que o Big Bang é apenas a teoria mais conhecida para o surgimento do universo como conhecemos. A partir das colisões de partículas que ocorrerão no LHC, os cientistas pretendem provar algumas teorias que são cruciais para a evolução da física (que anda meio parada nos últimos tempo).

Porém, assim como nos filmes, existe a possibilidade dessas colisões gerarem um buraco negro, o que em si não é preocupante, já que ele provavelmente se extinguiria em menos de um segundo. Mas e as rupturas no tempo/espaço? Quem garante de esses micro-buracos negros não serão a porta de entrada para seres de um universo paralelo?

Revoltas pelo mundo

Conforme já disse no post “Qual é o estopim do brasileiro?“, os povos do mundo estão saindo da inércia e se revoltando contra a opressão (menos o povo brasileiro, é claro). Essa tendência deixa com os olhos mareados os mais idealistas, mas até que ponto a humanidade pode resistir à essa revolta toda?

Essa semana crianças se revoltaram e destruíram uma creche em São Paulo, o que me leva a pensar que a talvez chegamos à um ponto crítico da existência.

 

Terremotos e Tsunamis no Japão

A vida não está fácil para os nobre, educados e respeitosos japoneses. Depois da tempestade, vem o terremoto e depois do terremoto vem a tsunami e depois da tsunami vem o acidente nuclear, esse é o novo ditado por lá.

E se os acidentes nucleares iniciarem uma infestação zumbi, como proceder?

Miss Leila Lopes

Uma Miss Universo chamada Leila Lopes, isso só pode ser um sinal de que estamos todos no limite da morte! Segura, Berenice, nós vamos bater!

Programa de Investigação de Aurora Ativa de Alta Frequência (HAARP)

Se você estiver de pé, sente-se (tipo, sempre sente-se para ler meu blog, por favor, questão de respeito), porque agora vem a cereja no topo do bolo. Você já ouviu falar em armas biológicas, em armas químicas e em bazucas titânicas do Rambo. Mas e armas geofísicas?

Pois é, a novíssima versão da dança da chuva já existe à muito tempo, mas só vem ganhando interesse do grande público agora. A foto acima é da maior base do HAARP no Alaska. É as maior base… que se tem conhecimento. E esse é o medo.

Essa base tem como objetivo “investigar as transmissões de ondas na faixa da ionosfera”. Basicamente, tanto a base do Alasca quanto as bases na Noruega e na Rússia, estão apenas criando auroras artificiais utilizando alta frequência. Isso em teoria.

Interferindo na ionosfera, é possível se alterar o clima de regiões, isso é fato. A aurora artificial gerada pelo HAARP causa grande aquecimento nas regiões que afeta, isso já foi comprovado e admitido pelos cientistas responsáveis.

Mas ainda há o background da história. Dizem que a capacidade do HAARP como arma geofísica é ainda maior, podendo ser utilizado também em placas tectônicas. E o que acontece quando se mexe com as sensíveis placas tectônicas? Isso mesmo, terremotos.

Ainda há a possibilidade de ir mais fundo. As ondas do HAARP são como as ondas de rádio, com uma frequência diferente. Existem vários estudos sobre a influência das ondas eletromagnéticas no cérebro humano e muitas indicam que é possível utiliza-las para influenciar nos impulsos cerebrais. Mas se manipular uma população inteira com ondas de rádio, é preciso uma base gigantesca, de um ponto estratégico. Que tal… o Alasca?

Por fim, vamos juntar as coisas. Existe um colisor de partículas gigantesco trabalhando à todo vapor, com um “coeficiente de cagaço” baixo, ou seja, pode dar merda. Temos uma (ou várias?) possível arma geofísica em atividade e, coincidentemente, terremotos, furacões e todo o tipo de catástrofe climática deu para acontecer justo agora. Fora que a mente das pessoas mudou e as revoltas estão se espalhando pelo mundo. E ainda tem uma Miss Universo chamada Leila Lopes na história…

Tem algo muito estranho acontecendo e a resposta para tudo isso tem data para ser dada: dia 21 de dezembro de 2012.

[UPDATE]

Colisão de Meteoro Chinês

Não gosto de atualizar posts, mas não poderia deixar de falar sobre mais essa possibilidade, apesar de estar, digamos, um pouco longe de acontecer. Acontece que o gigante chinês acordou com uma fome monstruosa por riquezas e explorar seus 1,331 bilhões de habitantes parece não ser mais o bastante. Então, um chinês maluco teve uma ideia genial: por que explorar apenas os recursos minerais do planeta se temos um universo grandão cheio de possibilidades por aí?

A ideia é bem simples: atrair um dos milhares objetos celestes que passam perto da terra todos os anos (de preferência o mais rico em materiais nobres) coloca-lo em órbita com a terra e explora-lo até que ele fosse arremessado para longe pela velocidade angular acumulada (o mesmo fenômeno que acontecerá com a Lua um dia e que foi usada pelas naves centrais dos filmes Apollo 13 e Star Trek). Segundo o artigo do chinês, um objeto metálico desses com o tamanho de 2km poderia ter recursos no valor de 2,5 Trilhões de dólares (não sei se ele considerou a possível desvalorização desses minerais, mas enfim…).

Perfeito! Só existe um problema. Pequenos erros de cálculo na hora de mudar a trajetória do objeto usando velas solares podem fazer com que o pequenino caia aqui, dizimando a humanidade. Aposto que foi essa ambição que matou os dinossauros.

Por mais que eu queria ver os Bruce Willys chineses brincando de Armagedon e mineiros chilenos à duas luas de distância, não creio que isso vai acontecer em 2012. Mas nunca se sabe, né…

Anúncios